Críticas


TRÊS ANÚNCIOS PARA UM CRIME

De: MARTIN MCDONAGH
Com: FRANCES MCDORMAND, WOODY HARRELSON, SAM ROCKWELL, ABBIE CORNISH
16.02.2018
Por Octavio Caruso
A solução pode ser a silenciosa mudança de atitude diante do abismo.

É difícil evitar perceber que o trabalho do roteirista/diretor Martin McDonagh neste projeto é altamente pretensioso, talvez sintoma de insegurança artística, como se ele quisesse exibir a todo momento sua capacidade de desconcertar o espectador com a quebra de todas as expectativas, algo que acaba prejudicando o ritmo, especialmente no segundo ato.

A trama base e as atuações são impecáveis, mas é tão aparente o desespero por aplausos acadêmicos, que a experiência acaba exaurindo toda naturalidade que as cenas poderiam despertar. A opção por soluções cômicas frequentes, por vezes soa como bem-vindo alívio, mas durante boa parte do tempo soa simplesmente irritante. Se o texto consegue emocionar profundamente em sequências como a da leitura de uma importante carta, ou em lindos trechos em que a protagonista, vivida pela excelente Frances McDormand, consegue sutilmente revelar traços de humanidade cativantes, usualmente escondidos por trás de seu semblante de dor e mágoa, o todo dança desajeitadamente na linha tênue entre a organicidade fascinante e a exposição artificial, a simplicidade neste caso poderia ter potencializado os méritos de "Três Anúncios Para Um Crime". É o típico filme pensado calculadamente para agradar nas premiações, estratégia que já provou ser fadada a glórias com curto prazo de validade.

Mildred (McDormand), uma mãe nada convencional que decide se vingar do cruel estupro e assassinato de sua filha adolescente, instigando a revisão do crime abandonado sem solução de forma bastante visual, com o auxílio de mensagens em três outdoors, premissa que conduz à discussões preciosas sobre o comportamento da sociedade diante da violência. Quando se banaliza o tempo de "rir" e o tempo de "chorar", tudo se perde, o coletivo se torna parte do problema. A metalinguagem trabalhada na cena do policial que debocha sobre a motivação de quase todos os filmes ser a morte de uma jovem, assim como a ideia reforçada no desfecho de que a omissão é, de fato, o real crime a ser confrontado, pontos que agregam ao conceito da insatisfação com o sistema. Não importa quem cometeu o crime, mas, sim, a passividade brutal dos habitantes da pequena cidade, seres sem empatia, que, ao invés de aplaudirem a atitude da mulher, demonstram revolta por sua força de espírito ter abalado a ilusória paz de seus dias.

A coragem dela, sem que os próprios afetados percebam inicialmente, está operando modificações estruturais consideráveis, a resistência da leoa ferida faz com que todos, até mesmo o mais patético e intelectualmente limitado indivíduo, busquem ser melhores. Esta essência poderosa compensa todos os problemas da obra, a mensagem de que a mais bonita redenção não é a catarse do revide, pode ser apenas a silenciosa mudança de atitude diante do abismo.

Voltar
Compartilhe
Deixe seu comentário



Outros comentários
    4729
  • Peraldiano
    08.03.2018 às 07:29

    Apenas uma boa comédia de humor negro, com uma situação dramática comicamente diluída em atuações caricatas e clichês. Destaque para o suicídio do delegado, a parte mais engraçada do filme.