Críticas


OS MELHORES FILMES DE 2019

14.01.2020
Por Críticos.com.br
Os dez filmes mais lembrados pelos colaboradores do nosso site e as preferências de cada crítico.

Os melhores filmes lançados em circuito comercial no Rio de Janeiro ao longo de 2019 na opinião de oito colaboradores do nosso site, sendo que em algumas listas individuais há menção a melhores filmes lançados apenas on streaming ou ainda inéditos nas salas de cinema.

Em primeiro lugar: o filme mais citado foi uma unanimidade. Isto talvez nunca tenha ocorrido antes nas nossas votações. Todos os oito críticos mencionaram em suas listas PARASITA (Gisaengchung), Coreia do Sul, 2019, de Bong Joon-Ho.

Em segundo lugar (seis votos)

CORINGA (Joker) Estados Unidos, 2019, de Todd Phillips

Em terceiro lugar (cinco votos)

LOS SILENCIOS (Brasil/Colombia/França, 2018) de  Beatriz Seigner

Em quarto lugar (quatro votos), um empate:

BACURAU (Brasil/França, 2019), de Kleber Mendonça Filho e Juliano Dornelles

DOR E GLÓRIA (Dolor y Gloria) Espanha, 2019, de Pedro Almodóvar

Em quinto lugar (três menções), um empate quíntuplo, em ordem alfabética:

ASSUNTO DE FAMÍLIA (Shoplifters) Japão, 2018, de Hirokazu Koreeda

EM TRÂNSITO (Transit) Alemanha/França, 2018, de Christian Petzold

A FAVORITA (The Favourite) Irlanda/UK/USA, 2018, de Yorgos Lanthimos

GUERRA FRIA (Cold War) Polônia/França/Reino Unido, 2018], de Pawel Pawlikowski

PÁSSAROS DE VERÃO (Pájaros de Verano) Colombia, 2018, de Ciro Guerra e Cristina Gallego



AS LISTAS INDIVIDUAIS DE CADA CRÍTICO



CLARA FERRER (sem ordem de preferência)

Temporada (André Novais Oliveira)

Inferninho (Guto Parente e Pedro Diógenes)

Torre das donzelas (Susanna Lira)

Los silencios (Beatriz Seigner)

A favorita (Yórgos Lánthimos)

Amanda (Mikhaël Hers)

Compra-me um revólver (Julio Hernández Córdon)

Parasita (Joon-ho Bong)

Fora de série (Olivia Wilde)

História de um casamento (Noah Baumbach)



DANIEL SCHENKER (ordem alfabética)

Coringa, de Todd Phillips

Dafne, de Federico Bondi

Los silencios, de Beatriz Seigner

No portal da eternidade, de Julian Schnabel

Parasita, de Bong Joon-ho

Pássaros de verão, de Ciro Guerra e Cristina Gallego

Poderia me perdoar?, de Marielle Heller

Retablo, de Álvaro Delgado-Aparicio

Uma mulher alta, de Kantemir Balagov

Vice, de Adam McKay



LUIZ BAEZ (ordem alfabética)

Ad Astra - Rumo às Estrelas (Ad Astra, Estados Unidos), dir. James Gray⠀

O clube dos canibais (Brasil), dir. Guto Parente⠀

Em Trânsito (Transit, Alemanha), dir. Christian Petzold⠀

A Favorita (The Favourite, Estados Unidos), dir. Yórgos Lánthimos⠀

Guerra Fria (Zimna Wojna, Polônia), dir. Pawel Pawlikowski⠀

John Wick 3 - Parabellum (John Wick: Chapter 3 - Parabellum, Estados Unidos), dir. Chad Stahelski⠀

Los Silencios (Colômbia / Brasil / França), dir. Beatriz Seigner⠀

Parasita (Gisaengchung, Coreia do Sul), dir. Joon-ho Bong⠀

A sombra do pai (Brasil), dir. Gabriela Amaral Almeida⠀

Vidro (Glass, Estados Unidos), dir. M. Night Shyamalan



JOÃO DE OLIVEIRA (ordem alfabética)

Amor até as cinzas (Ash is purest white), China/França/Japão, 2018, de Jia Zhangke

Bacurau (Bacurau), Brasil/França, 2018, de Kleber Mendonça Filho e Juliano Dornelles

Coringa [Joker, Estados Unidos, 2018], de Todd Phillips

A árvore dos frutos selvagens [Ahlat agaci , Turquia, 2019], de Nuri Bilge Ceylan

Dor e Glória [Dolor y gloria, Espanha, 2019], de Pedro Almodóvar

Guerra Fria [Cold War, França, Polônia, Reino Unido, 2018], de Pawel Pawlikowski

Imagem e Palavra [Le livre d'image, França, Suíça, 2018], de Jean-Luc Godard

Memórias da dor [La douleur, França, 2017], de Emmanuel Finkiel

Parasita [Coreia do Sul, 2019], de Bong Joon-ho

Synonymes [Synonyms, França, Israel, Alemanha, 2019], de Nadav Lapid



LUIZ FERNANDO GALLEGO (Os dez primeiros em ordem de preferência)

Em trânsito, de Christian Petzold⠀

Parasita, de Joon-ho Bong⠀

Pássaros de Verão, de Ciro Guerra e Cristina Gallego

Coringa, de de Todd Phillips

Assunto de Família, de Hirokazu Koreeda

Todos já sabem, de Asghar Farhadi

Vice, de  Adam McKay

Era uma vez em Hollywood, de Quentin Tarantino

Dor e Glória , de Pedro Almodóvar

O Irlandês, de Martin Scorsese

(Os demais em ordem alfabética)

Amanda, de Mikhaël Hers

Amor até as cinzas, de Jia Zhangke

Casal Improvável , de Jonathan Levine

Graças a Deus, de  François Ozon

Meu querido filho, de Mohamed Ben Attia

No Coração do mundo, de Gabriel Martins e Maurilio Martins

No portal da eternidade, de Julian Schnabel

A Nossa Espera, de Guillaume Senez

Quem você pensa que eu sou, de Safy Nebbou

O Relatório, de Scott Z. Burns

Retablo, de Álvaro Delgado-Aparicio

O Retorno de Ben, de Peter Hedges

Segredos oficiais de Gavin Hood

O Silêncio dos Outros, de Almudena Carracedo e Robert Bahar

Um homem fiel, de Louis Garrel

Vermelho Sol, de Benjamin Naishat

Vidas Duplas, de Olivier Assayas



MARCELO JANOT (ordem alfabética)

- AD ASTRA, de James Gray – Uma belíssima aventura espacial filosófica. A cena do rompimento do cordão umbilical simbólico que une pai e filho é uma das mais bonitas dos últimos tempos.

- BACURAU, de Kleber Mendonça Filho – Kleber Mendonça utilizou muito bem a filiação ao cinema de gênero para fazer uma potente crítica social em seu melhor filme.

- BORDER, de Ali Abassi – Instigante metáfora, misturando realismo e fantasia, da situação dos imigrantes na Europa.

- CAFARNAUM, de Nadine Labaki – Praticamente implora para que tenhamos um pouco mais de empatia ao olharmos para os marginalizados, sem deslumbramento com a miséria terceiro-mundista.

- CORINGA, de Todd Phillips - Um manifesto político de imensurável impacto sob a forma de entretenimento adulto, um dos passos mais ousados de Hollywood em sua história.

- DOR E GLÓRIA, de Pedro Almodóvar - Neste ajuste de contas com seu passado, o maior diretor espanhol vivo se reconcilia consigo mesmo através de sua arte.

- ERA UMA VEZ EM HOLLYWOOD, de Quentin Tarantino – Tarantino acrescenta mais camadas de significados às suas constantes reflexões sobre as engrenagens hollywoodianas, fazendo com que a arte triunfe à sua maneira.

- A FAVORITA, de Yorgos Lanthimos – Stanley Kubrick teria orgulho de assinar essa espécie de “Barry Lyndon” contemporâneo em que o jogo de interesses e manipulação nos bastidores da corte inglesa é tão bem retratado.

- PARASITA, de Bong Joon-Ho - Será lembrado no futuro como um dos filmes que melhor traduziu, cinematograficamente, o abismo social e econômico das primeiras décadas do novo milênio.

- PASSAROS DE VERÃO, de Ciro Guerra e Cristina Gallego - O que faz de “Pássaros de verão” uma produção tão original quanto espetacular é que os realizadores conseguem retrabalhar os códigos do cinema de gênero dentro do contexto antropológico.

TAMBÉM PODERIAM ESTAR NA LISTA:

- EM TRÂNSITO, de Christian Petzold

- ENTRE FACAS E SEGREDOS, de Rian Johnson

- GUERRA FRIA, de Pawel Pawlikowski

- NÓS, de Jordan Peele

- O PARAÍSO DEVE SER AQUI, de Elia Suleiman

- TOY STORY 4, de Josh Cooley

- VICE, de Adam McKay

MELHOR SÉRIE DE TV – “SUCCESSION” (HBO)

MELHOR FILME NÃO LANÇADO NOS CINEMAS – “UMA VIDA OCULTA”, de Terrence Malick



MARIA CAÚ (em ordem alfabética)

Assunto de família, de Hirokazu Koreeda

Bacurau, de Kleber Mendonça Filho & Juliano Dornelles

Coringa, de Todd Phillips

Em trânsito, de Christian Petzold

Estou me guardando para quando o carnaval chegar, de Marcelo Gomes

Los silencios, de Beatriz Seigner

No portal da eternidade, de Julian Schnabel

Parasita, de Bong Joon-Ho

Temporada, de André Novais Oliveira

Vox Lux, de Brady Corbet

MELHOR SÉRIE DE 2019: Fleabag (temporada 2), de Phoebe Waller-Bridge



SUSANA SCHILD (ordem aleatória)

Parasita

Coringa

Bacurau

A vida invisível

Assunto de família

Poderia me perdoar?

Guerra Fria

Los silencios

Dor e gloria

Uma mulher alta



 

Voltar
Compartilhe
Deixe seu comentário



Outros comentários
    4982
  • Suzana
    14.01.2020 às 12:07

    Excelentes informações