Críticas


PACHAMAMA

De: ERYK ROCHA
26.02.2010
Por Carlos Alberto Mattos
AMÉRICA DO SUL, UNIVERSO EM MOVIMENTO

Pachamama, no antigo idioma aymara, quer dizer “mãe-terra”, seu significado se expandindo também para “vida” e “realidade”. Mas há outra palavra mencionada no filme de Eryk Rocha que se presta melhor a defini-lo. É Pachakutik, que significa “universo em movimento”. Eryk fez um road-doc que se vale de dois procedimentos básicos: a viagem e a sintonia do rádio.



O movimento é reiterado desde as imagens de abertura (asfalto em velocidade) e através de estradas, serras e cidades do centro-oeste e norte brasileiro, do Peru e da Bolívia. “Não há limite entre viagem e filme”, diz a voz do diretor logo no início. A viagem, porém, não se torna um tema do filme. Ninguém mais se refere a ela. O que não impede que o movimento seja um eixo narrativo e uma matéria de constante experimentação imagética.



Assuntos e paisagens – naturais e humanas – vão se sucedendo num regime de edição parecido com o girar do dial de um rádio. De vez em quando, é o rádio mesmo que se ouve, provavelmente o rádio do jipe Land Rover, “editando” notícias sobre a situação de determinado lugar. É, portanto, com a superficialidade e a ligeireza de um travelling que Eryk pretende dar conta do motivo de sua viagem: “saber o que estava acontecendo no Peru e na Bolívia” em janeiro de 2007.



Empunhando o tempo todo a própria câmera, o diretor recolhe sinais de uma América do Sul em transformação: aqui um muro grafitado em louvor da “revolução agrária”, ali a manifestação de um militante em prol da civilização aymara, acolá uma imagem de Evo Morales defendendo na TV a legalidade da folha de coca. O Brasil aparece em reflexo nas considerações de peruanos e bolivianos, entre o ressentimento e a admiração.



Quando saiu à procura desse “o que estava acontecendo”, Eryk tinha os olhos voltados não somente para o presente, mas sobretudo para o passado. Peru e Bolívia seriam exemplos de uma tentativa de conciliar política contemporânea e culturas muito antigas. De fato, ouvir a lenda da fundação de Cuzco pela boca de um velho xamã, na língua quéchua, ou a reivindicação de um boliviano a respeito das “nações originárias” andinas é algo que desperta a consciência de uma ancestralidade sul-americana, normalmente sufocada pela premência do futuro e a necessidade do moderno.



Em meio a um amplo descrédito com relação à política tradicional, o filme recolhe também vozes contrárias ao rumo que então tomavam as democracias peruana e boliviana. Há tanto quem duvide que a ascensão de representantes indígenas a postos-chave do estado seja a panacéia para os males do continente, como quem se oponha a essa ascensão, caso dos aguerridos autonomistas de Santa Cruz de la Sierra. Enquanto gira seu dial, Pachamama demonstra que está viajando no centro de um lenta fogueira.



Como em Intervalo Clandestino, mas de maneira mais poética e efetiva, Eryk Rocha foca esse novo filme na multidão. Os rostos sem nome enchem a tela como avisos de inquietação, esperança e perplexidade. Quando se move, Pachamama é dominado pela exuberância da natureza. Quando se detém, são os rostos que falam, com palavras ou com silêncios nos quais se pode ler muitos significados. A magnífica edição sonora de Aurélio Dias forja ritmos e atmosferas mobilizadoras, abrindo o campo de representação das imagens para além do visível.



Enquanto partilha conosco um passeio elucidativo pelo coração do continente, dando corda a sua veia experimental, Eryk vai confirmando sua relativa discrição enquanto figura enunciadora nos filmes. Se em Rocha que Voa, sua condição de filho do personagem Glauber permanecia no plano do engendramento, sem nunca chegar ao proscênio, aqui sua presença resume-se à voz de introdução, à referência de um sindicalista sobre “o gringo que nos está filmando” e à crise que o fez passar mal dentro da antiga mina de prata de Cerro Rico de Potosí, na Bolívia. De resto, é no manejo hábil e sensível da câmera que ele se coloca por inteiro.



►Texto publicado originalmente em outubro de 2008



PACHAMAMA

Brasil, 2008

Direção, roteiro, fotografia:
ERYK ROCHA

Montagem: ERYK ROCHA, EVA RANDOLPH

Som direto: DANIEL CHAVES, RAFAEL PINHEIRO DE ARAÚJO

Música e desenho sonoro: AURÉLIO DIAS

Consultoria histórica: FRANCISCO CARLOS TEIXEIRA DA SILVA

Site oficial: clique aqui

Voltar
Compartilhe
Deixe seu comentário