Artigos


DA TERRA AO SONHO DE ROSE

25.11.2002
Por Daniel Schenker
PROVAS DE SOLIDARIEDADE

A integridade saiu em DVD. Traduzindo: Terra para Rose e O Sonho de Rose , documentários de Tetê Moraes, foram reunidos num mesmo pacote – intitulado Da Terra ao Sonho de Rose – que conta com extras que abarcam um abrangente depoimento da diretora, comentários de profissionais conectados profissional e/ou afetivamente aos filmes, trailers, matérias divulgadas na televisão e fotos.



A jornada de Tetê começou em meados da década de 80, quando decidiu registrar os diversos conflitos de terra que testemunhava no interior do Brasil. O enfoque se concentrou a partir do momento em que se deparou com uma foto de jornal relativa às reivindicações de famílias sem-terra na improdutiva fazenda Annoni. A tendência de flagrar focos de resistência no Norte e Nordeste do país acabou sendo canalizada para o Sul. Terra para Rose exigiu feitura longa, tendo em vista que foi sendo realizado concomitantemente aos acontecimentos – em especial, à marcha de cerca de 500 km dos trabalhadores em direção a Porto Alegre e à morte de Rose. Já a confecção de O Sonho de Rose consumiu apenas duas semanas, na medida em que Tetê visava flagrar no presente as transformações ocorridas nos últimos dez anos – período que separa a realização dos dois trabalhos. Para tanto, palmilhou uma região do Brasil, numa travessia que partiu da Annoni em direção à cidade grande (de modo a mostrar aqueles que se viram obrigados a migrar para o centro urbano, algo que no primeiro filme era visto como uma negação às próprias raízes).



Diante da oportunidade de conferir as obras juntas, o espectador pode traçar diferenças – Terra para Rose e O Sonho de Rose revelam-se como filmes em andamento, mas as qualidades dos respectivos movimentos são diferentes, com o primeiro tratando de uma marcha coletiva “à espera da terra prometida” e o outro, de uma caminhada de constatação e reencontro empreendida pela própria Tetê. No entanto, ambos tratam do aprendizado da vida em comunidade, da comunhão, da superação de expectativas individuais em prol do bem comum e da possibilidade de “jogar para a frente” pensando nas novas gerações. Bastante simbólico o surgimento do filho de Rose, a primeira criança a nascer no acampamento da Annoni. Tetê Moraes quis flagrar justamente a “manutenção da vida”, valorizando – não por acaso – a mulher, numa ponte possível com Que Bom te ver Viva , outro excelente documentário, de Lucia Murat, que trazia uma costura arrebatada de depoimentos de mulheres torturadas durante a ditadura militar e que sobreviveram sem perder a sanidade mental.



Os filmes de Tetê também estão repletos de falas sinceramente arrebatadas. “É só através desta luta, deste sofrimento, que vamos conseguir alguma coisa”, afirma uma das personagens de Terra para Rose . Muito importante destacar, Tetê trata (em seu depoimento, presente entre os extras do DVD) cada um como personagem – a mesma denominação utilizada pelo documentarista Eduardo Coutinho, que apresenta, agora, seu novo filme, Edifício Master . A denominação faz sentido (considerando-se que ninguém é totalmente natural quando colocado diante de uma câmera). Mas assumir a “nomenclatura” pode causar algum estranhamento, já que personagem é uma espécie de biombo colocado na frente da pessoa – como que protegendo de uma exposição mais aprofundada.



De qualquer maneira, é surpreendente verificar como Terra para Rose e O Sonho de Rose não foram atingidos pela artificialidade, perigo que se corria seja em virtude de uma necessidade de encenar algumas passagens (resgatando, por exemplo, a saída dos trabalhadores do acampamento rumo a Porto Alegre), seja na utilização de novos recursos tecnológicos no segundo filme. Mesmo em Terra para Rose , em que se propôs a documentar com mais secura a interminável via-crucis enfrentada pelos trabalhadores (as promessas de assentamento do governo datam de 1972), Tetê Moraes elegeu as motivações pessoais como linha condutora.



A autenticidade dos resultados advém do espírito solidário contido nos filmes e irradiado por eles. Autor da música Assentamento , que serve O Sonho de Rose e foi criada sob as influências das fotografias de Sebastião Salgado e de um texto de Guimarães Rosa contido em Tutameia , Chico Buarque assume uma conexão com o Movimento dos Sem-Terra (MST) desde os anos 80. Salgado, por sua vez, testemunhou de forma ativa a intensa migração do campo para a cidade ocorrida a partir da década de 60, algo que o ligou de modo inquebrantável à terra e, por conseguinte, à luta em favor da consciência social.



A jornalista e crítica de cinema Susana Schild recorda a emocionante exibição de O Sonho de Rose no Festival de Gramado, em sessão que contou com a presença dos familiares de Rose, e a habilidade da diretora em filmar gente, ao passo que o também crítico de cinema Carlos Alberto Mattos comparou os feitos de Tetê ao de Coutinho no emblemático Cabra Marcado para Morrer e sublinhou a capacidade de utilizar o instrumental cinematográfico na transmissão de uma simpatia em favor das questões populares. O DVD traz, entre outras, as impressões do fotógrafo Walter Carvalho, evocando a madrugada em que a polícia do Rio Grande do Sul se valeu de violência contra os trabalhadores e o próprio processo de filmagem que extraiu criatividade da falta de recursos à disposição, do embaixador Arnaldo Carrilho, atualmente à frente da RioFilme, e da atriz Lucélia Santos, narradora dos filmes.



# DA TERRA AO SONHO DE ROSE

Brasil, 2002

Direção: TETÊ MORAES

Projeto e produção executiva: TETÊ MORAES

Fotografia: CEZAR MORAES, GILBERTO OTERO E BERNARD BLOCH

Som: WALTER GOULART, TONINHO MURICY e JUAREZ DAGOBERTO

Edição: LEANDRO FERREIRA E RAQUEL COUTO

Duração: 176 minutos

Formato de tela: Tela Cheia

Idiomas: Português (Dolby Digital 2.0 e 5.1)

Legendas: Português, inglês, francês, espanhol

Extras: Menus interativos, seleção de cenas, especiais, depoimentos, galeria de fotos, apresentação da diretora, biografias, filmografias, trailers de cinema, prêmios, reportagens, festivais e pré-estréias

Distribuição: Versátil Home Vídeo

Voltar
Compartilhe
Deixe seu comentário