Críticas


FESTIVAL DO RIO 2012: MARGARET MEE E A FLOR DA LUA

07.10.2012
Por Carlos Alberto Mattos
MALU E A FLOR MM

Como as flores amazônicas que desenhava, Margaret Mee era delicada, risonha e elegante. Mas como as árvores que costumava esboçar como pano de fundo de seus desenhos, ela também era forte e determinada. A excêntrica senhorinha inglesa que combinava ciência e arte em suas aventuras pela Amazônia e a Mata Atlântica brasileiras ganha enfim um perfil cinematográfico à sua imagem e semelhança.



Não é mero jogo de ideias dizer que Malu De Martino cuidou desse seu novo documentário com o esmero de “Miss Margaret” no manejo de seus lápis. Margaret Mee e a Flor da Lua é delicado, risonho, elegante –e também forte e determinado ao fazer os alertas preservacionistas de MM ecoarem nos alarmes de hoje. Este é um filme sobre uma artista e uma doce guerreira.



O roteiro é primoroso ao situar desde o início o anseio de Margaret por um encontro pleno com a Flor da Lua, uma rara espécie que se abre apenas uma vez por ano, durante uma breve noite. Essa meta se transformou no desafio de uma vida e funciona aqui como eixo emotivo do filme. A personagem vai florescendo lentamente diante de nós através de depoimentos de amigos, colaboradores e discípulos; da narração por Patrícia Pilar de trechos dos diários de Margaret; e de alguns preciosos vídeos com sua voz e movimentos. A junção de informação relevante com detalhes pitorescos e histórias hilariantes compõe um retrato sóbrio e afetuoso.



Como não deveria deixar de ser, a busca de imagens deslumbrantes da paisagem e da flora na região do Rio Negro restitui o olhar apaixonado de MM. A câmera se converte numa nova mirada sobre as formas belas e intrigantes da natureza, aquele mundo no qual Margaret costumava refugiar-se “do tumulto, da poluição e da política”. A fotografia de Julia Equi e a montagem de Pedro Rossi privilegiam a serenidade de um passeio sem pressa pelo cenário.



Não posso imaginar um estilo mais adequado para rememorar Margaret Mee e sublinhar a atualidade de sua pauta ecológica. Nem uma maneira mais feliz e comovente de se aproximar novamente da quase mitológica Flor da Lua.



Na segunda-feira, após a sessão popular de 13h30 no Armazém do Festival do Rio, vou mediar um debate com Malu De Martino, a produtora Elisa Tolomelli, o escritor inglês Tony Morrison (amigo e patrocinador de MM), a diretora de fotografia Julia Equi e a ilustradora botânica Malena Barretto.

Voltar
Compartilhe
Deixe seu comentário