Críticas


FESTIVAL DO RIO 2003: TEMPO DE PROTESTO

De: SAM GREEN E BILL SIEGEL
28.09.2003
Por Luciano Trigo
FOGO BAIXO

Para o bem e para o mal, Tempo de Protesto é um filme movido pela nostalgia da contracultura. Curiosamente, do ponto de vista formal, é um documentário nada radical, seguindo a fórmula consagrada de intercalar depoimentos com imagens de arquivo, o que em alguns momentos dá à narrativa um monótono tom de reportagem televisiva. Se a linguagem deixa a desejar, o filme vale pelo aspecto sociológico, sugerindo questões sempre pertinentes sobre a ação dos grupos ativistas que tentaram incendiar a América nos anos 60 e 70. Mas a contradição básica que está no cerne de qualquer movimento terrorista - o uso da violência em nome da paz e da liberdade - permanece sem uma análise satisfatória.



Isso porque a reconstituição cronológica, neutra e objetiva das ações do Weather Underground (nome inspirado numa canção de Bob Dylan) prevalece sobre qualquer forma de análise, interpretação ou julgamento. Sintomaticamente, os diretores Sam Green e Bill Siegel fazem o contrário de seus personagens, isto é, evitam o engajamento e o compromisso. Meio sem querer, acabam transformando num produto assimilável e consumível pelos espectadores globalizados e neoliberais de hoje a aventura da contestação. Como se no presente a única possibilidade de transgredir fosse consumir, no conforto de uma poltrona de cinema, os movimentos libertários de um passado distante e estranho.



É claro que o filme tem imagens preciosas, como o depoimento de Timothy Leary depois de ser resgatado da prisão pelos militantes do grupo, mas a visão deste e de outros episódios é anedótica e desideologizada, transformando em folclore ou curiosidade jornalística ações que tinham o propósito real de intervir na política americana e abalar os alicerces do capitalismo.



Nos Estados Unidos, houve quem temesse que Tempo de Protesto passasse uma mensagem "errada" à platéia, de apologia à rebeldia e ao inconformismo. Pelo contrário: justamente pela falta de convicção dos diretores em se comprometer com qualquer mensagem, o resultado é um documentário sobre derrotados. Até no jeito meio anestesiado de falar, todos os integrantes do Weather Underground entrevistados no filme se converteram em americanos "normais", medianamente empregados, professores que olham para a própria juventude com a curiosidade de quem visita um museu. Uns passaram pela experiência amarga da prisão (um deles continua preso), outros simplesmente abriram mão de sua crença revolucionária e se deixaram assimilar. Todos caíram no esquecimento, do qual foram momentaneamente retirados para se transformar em personagens de um documentário que tinha tudo para ser incendiário e explosivo, mas que acaba atuando como um bombeiro na consciência dos espectadores.





# TEMPO DE PROTESTO (The Weather Underground)

ESTADOS UNIDOS, 2003

Direção e Roteiro: SAM GREEN e BILL SIEGEL

Duração: 92 min.

Voltar
Compartilhe
Deixe seu comentário