Críticas


FALANDO DE SEXO

De: JOHN MC NAUGHTON
Com: LARA FLYNN BOYLE, JAY MOHR, BILL MURRAY
30.05.2004
Por Marcelo Moutinho
CRÍTICA AO TECNICISMO EM TOM DE FARSA

Falando sobre Sexo certamente não é uma comédia para ficar na lembrança; passa ligeira como o gosto de um doce consumido no meio da tarde. No entanto, uma inevitável sensação de surpresa toma de assalto o espectador quando lembra que a direção do filme coube a John Mc Naughton, o mesmo que “cometeu”, em 1998, o apelativo Garotas Selvagens. Ao contrário do que ocorre naquele arremedo erótico-noir que misturava de forma insossa sexo e ação, em Falando sobre Sexo o diretor revela comedimento e acerta no tratamento farsesco ao explorar a trama que envolve um casal à beira da separação, dois terapeutas e uma disputa judicial.



Melinda (Melora Walters) e Dan (Jay Mohr), à beira a separação, buscam ajuda para resolver seus problemas conjugais e acabam envolvidos numa tremenda confusão, muito por culpa das trapalhadas de seus analistas - a dra. Emily Page (Lara Flynn Boyle) e o dr. Roger Klink (James Spader) – e do conflito estabelecido entre os dois advogados vividos por Bill Murray e Magen Mullaly. A usual premissa poderia ganhar tratamento banal, mas adquire contornos interessantes porque Mc Naughton habilmente sugere, sob a capa do enredo, a existência de um verdadeiro divórcio entre a linguagem popular e as nomenclaturas técnicas. Concentrando-se, no caso, em termos afins ao Direito e à Psicanálise.



Quando se dão na esfera destes dois saberes, os diálogos recheiam-se de tecnicismos que na maioria das vezes não dão conta do que os reais interessados - ou seja, o casal - desejam expressar. Sobram alfinetadas para a guerra de vaidades que corrói o universo das grandes firmas de advocacia e conselhos profissionais, e também para a indústria do dano moral, que parece ter tomado os EUA na onda do politicamente correto. A ênfase é na caricatura, como evidenciam a música e a direção dos atores. Todas as interpretações ficam um tom acima do natural, com destaque para a desenvoltura habitual de Bill Murray e apenas um reparo: James Spader está por demais careteiro.

Remetendo aos bons momentos de Blake Edwards, Falando sobre Sexo entretém com leveza e, embora não vá entrar em nenhuma seleta de filmes de humor, traz pelo menos uma seqüência cômica desde já antológica. Impossível não gargalhar durante a acareação judicial entre o perspicaz dr. Klink e a inocente Melinda, que encerra, em seu subtexto, um hilariante embate entre os poderes da verve e da sinceridade. Diversão garantida.



#FALANDO SOBRE SEXO (Speaking of sex)

EUA, 2001

Direção: JOHN MC NAUGHTON

Roteiro: GARY TIECHE

Elenco: LARA FLYNN BOYLE, JAY MOHR, BILL MURRAY, MEGAN MULLALY, JAMES SPADER

Duração: 97 min

Voltar
Compartilhe
Deixe seu comentário