DVD/Blu-ray


A arte de JOHN CASSAVETES em DVD

De: JOHN CASSAVETES
Com: GENA ROWLANDS, SEYMOUR CASSEL
12.04.2015
Por Octavio Caruso
Uma encantadora história de amor entre opostos.

“Eu penso tanto em você, que até me esqueço de ir ao banheiro”.

A simplicidade dessa frase, inserida no ótimo "Assim Falou o Amor" (Minnie and Moskowitz - 1971), uma síntese perfeita do romantismo naturalista do personagem vivido por Seymour Cassel: Seymour Moskowitz, um homem inculto que se mostra incapaz de se comunicar com o sexo oposto. Ele, longe de ser um galã, com seu jeito desajeitado e descortês, o representante do mundo real que existe por trás das ilusões criadas pelo mundo do cinema, a enganação de que existe amor verdadeiro, algo alimentado desde as primeiras sessões, ainda na infância, como citado pela personagem vivida por Gena Rowlands: Minnie Moore. Uma mulher culta e bela, que foge do contato visual, sempre se escondendo atrás das lentes escuras de seus óculos de sol, buscando encontrar alguém como o Rick Blaine de “Casablanca”, um de seus filmes favoritos. Ele, por outro lado, prefere se identificar com o Sam Spade de “O Falcão Maltês”. A adoração por Humphrey Bogart parece ser o único elemento em comum entre os dois.

A direção de John Cassavetes explora, em várias cenas, com seu senso de humor peculiar, a falha na comunicação, evidenciada nas atitudes violentas de seu personagem, um amante emocionalmente desequilibrado. A sua maneira libertária de conduzir seus colegas atores, possibilitando que eles exercitem o improviso, aliado ao fato de colocar seus familiares nos projetos, acaba se traduzindo, em todos os seus filmes, em um clima de vivaz camaradagem. Sua mãe, Katherine Cassavetes, interpreta a hilária mãe de Seymour, responsável por uma das cenas mais divertidas, quando ela elenca todos os motivos que deveriam fazer a namorada dele pensar duas vezes antes de seguir em frente com a relação. A personagem dela praticamente quebra a quarta parede, corroborando a visão do público, salientando o quão absurda é a união daquelas duas pessoas completamente diferentes, algo que foge de qualquer explicação racional. A opção deles por uma rotina convencional de encontros românticos: sorveteria, dançar, passeios noturnos e conversas existenciais, por mais que tentem com genuína boa vontade, acabam sempre em desastre. Eles descobrem que o ato de se apaixonar nasce exatamente nos constrangedores silêncios que antecedem qualquer tentativa de consumar uma atitude clichê, o sorriso espontâneo que brota após uma canção, numa tentativa desafinada de sedução.

Em sua crítica ao gênero, Cassavetes se utiliza de todos os recursos clássicos, até mesmo o pastelão, na ótima cena de briga noturna em que, por engano, Minnie é nocauteada por Seymour. É interessante a forma como a obra retorna, em seu irônico desfecho, ao conceito de ilusão apontado pela protagonista no início, entregando um casamento após apenas quatro dias de relacionamento, o clássico happy ending hollywoodiano, encantador como os das melhores screwball comedies, porém altamente inverossímil.

A distribuidora Versátil, sinônimo de qualidade no home video nacional, está lançando esse filme na caixa "A Arte de John Cassavetes", contendo ainda outras duas obras-primas de sua filmografia: "A Canção da Esperança", "Amantes", e o ótimo documentário "Cassavetes: O homem e a sua obra".

Voltar
Compartilhe
Deixe seu comentário