Críticas


NOCAUTE

De: ANTOINE FUQUA
Com: JAKE GYLLENHAAL, RACHEL MCADAMS, FOREST WHITAKER
15.09.2015
Por Octavio Caruso
Uma luta que não seria vencida sequer na soma dos pontos.

Jake Gyllenhaal, que está provando extrema competência na seleção de papéis, é a alma de “Nocaute”, primeiro trabalho verdadeiramente interessante do diretor Antoine Fuqua após o distante “Dia de Treinamento”. A entrega do ator, irrepreensível em cena, consegue disfarçar, na maior parte do tempo, a fragilidade do roteiro de Kurt Sutter, responsável por episódios da série “The Shield”, em sua primeira experiência no cinema. A sua insegurança é facilmente perceptível na forma como a estrutura episódica da trama se debruça em todos os clichês melodramáticos de filmes similares, prejudicando o essencial investimento emocional do público nos conflitos do protagonista.

O ritmo é agitado em teoria, a narrativa se movimenta freneticamente, porém, é difícil estabelecer empatia genuína por qualquer núcleo, o que acaba passando a impressão de lentidão, com as resoluções óbvias arrastando ainda mais o inferior segundo ato. A fórmula parece ter sido copiada de uma seleção dos melhores momentos da franquia “Rocky”, uma visão já bastante diluída, que funcionava na metáfora de Stallone, mas, inserida em um contexto que tenta, com mão pesada, emular a complexidade de um “Touro Indomável”, acaba tornando tudo menos verossímil.

Vale destacar as excelentes sequências de luta no ringue, ponto alto, talvez, realistas demais, o que não é necessariamente funcional, já que salienta o quão caricatural são os alicerces que as sustentam. Após minutos acreditando em cada gota de sangue vertida, somos conduzidos a uma cena que parece saída de uma novela mexicana. Contribuindo para essa quebra da ilusão, Rachel McAdams, que vive a esposa do pugilista, parece uma atriz iniciante em um teste de elenco, forçando as caras e bocas, sem qualquer indício de sutileza. O problema piora quando ela divide cenas importantes com Gyllenhaal, dificultando a imersão do espectador. Já Forest Whitaker, como o típico treinador linha dura, em poucas cenas, eleva a qualidade do espetáculo.

O nível de manipulação emocional é alto no terceiro ato, o esforço da trilha sonora do saudoso James Horner é tremendo nesse sentido. A despeito disso, o drama não se sustenta, colocando toda a responsabilidade nos ombros do protagonista, que, por melhor que seja, especialmente em buscar os redentores subtextos em diálogos mal escritos, não conseguiria vencer essa luta sequer na soma dos pontos.

Voltar
Compartilhe
Deixe seu comentário