Críticas


FESTIVAL DO RIO 2005: ELECTION

De: JOHNNIE TO
Com: SIMON YAM, LOUIS KOO, TONY LEUNG KA FAI
28.09.2005
Por João Mattos
QUESTÕES CRIMINAIS

Embora seja um veterano do cinema de Hong Kong com mais de 30 filmes feitos (em geral se alternando entre filmes policiais e dramas criminais), Johnnie To é quase um completo desconhecido no Brasil. Ele tem reputação cada vez mais ascendente entre os cinéfilos e críticos mundo afora, mas o neófito em sua obra ou que não tem simpatia especial pelo tipo de cinema que faz, dificilmente será convencido do talento de diretor depois de uma sessão de Election.



Não que o filme seja ruim, pelo contrário, mas demanda uma sincera apreciação pelo cinema popular e de gênero para ser desfrutado como se deve. Election é daqueles típicos filmes sobre honra e ética criminal de Hong Kong com suas características peculiares. Violento (a excelente cena do combate na rua), cruel e sarcástico (o cara comendo vidro, a surra com um tronco pequeno no campo, interrompida por duplo diálogo em celulares), nele não há um mísero tiro sequer disparado. A explicação para isso é que a trama trata das Tríades, milenares organizações criminosas chinesas, que tem predileção por resolverem parte dos conflitos à base de golpes de um facão antigo. Costumes clássicos e problemas modernos são o cerne da obra, que envolve a posse de um bastão que simboliza o poder dentro de uma organização, e junto aos ditames habituais deste tipo de cinema, sugere uma discussão pertinente sobre ética criminal.



# ELECTION (Hak Sek Wui)

Hong Kong, 2005

Direção: Johnnie To

Roteiro: Nai-Hoi Yau, Tin-Shing Yip

Elenco: SIMON YAM, LOUIS KOO, TONY LEUNG KA FAI

Duração: 101 min

Voltar
Compartilhe
Deixe seu comentário