Críticas


MENTIRAS SINCERAS

De: JULIAN FELLOWES
Com: TOM WILKINSON, EMILY WATSON, RUPERT EVERETT
24.03.2006
Por Marcelo Janot
CRIME DELICADO

Na primeira cena, um senhor andando de bicicleta por uma estradinha bucólica é atropelado por um carro que passa voando. Ao contrário de boa parte dos filmes que começam com um acidente/crime suspeito, em Mentiras Sinceras o mistério não vai perdurar por muito tempo. Mais alguns minutos e logo se saberá quem atropelou o velhinho e em que circunstâncias. O que o torna atraente para o espectador é o desenrolar de como os envolvidos irão lidar com essa situação até que o inspetor de polícia encarregado do caso conclua suas investigações.



Porque, a partir de então, os personagens são obrigados a lidar com seus próprios fantasmas e contradições, e Mentiras Sinceras vai fundo, com inteligência, sarcasmo e algumas pitadas de fino humor britânico, no seu estudo da relação amorosa entre o casal James (Tom Wilkinson) e Anne Manning (Emily Watson), e o amante desta, Bill (Rupert Everett). James é um advogado cinquentão bem-sucedido, vida conjugal morníssima com a mulher mais jovem e bonita, sem filhos. A descoberta do adultério cometido pela esposa vem acompanhada da descoberta do envolvimento de Anne no atropelamento que vitimou o marido de sua faxineira. James e Anne se vêem então, envolvidos ao mesmo tempo em dois terríveis dilemas: um de ordem amorosa e outro de ordem criminal.



O diretor estreante Julian Fellowes, conhecido como o roteirista premiado de Assassinato em Gosford Park, adaptou um romance inglês escrito no início dos anos 50 acrescentando ao adultério a trama policial, que não existia. Acertou em cheio, pois as questões éticas e morais levantadas em Mentiras Sinceras nem de longe soam anacrônicas. Principalmente quando se tem em cena Tom Wilkinson e Emily Watson, dois atores geniais, em um roteiro recheado de ótimos diálogos. O talento de Rupert Everett também é indiscutível, mas aqui ele parece não encontrar o tom certo para seu personagem,um playboy bon-vivant. Não é porque o ator se tornou conhecido por assumir sua homossexualidade em público que isso o impediria de interpretar um garanhão hetero. Mas a postura de leve arrogância de Bill não convence muito pela macheza, ficando difícil acreditar na seriedade de seu interesse por Anne. Enfim, um pequeno deslize que não tira os méritos de um filme envolvente.



# MENTIRAS SINCERAS (SEPARATE LIES)

Inglaterra, 2005

Direção e Roteiro: JULIAN FELLOWES

Produção: CHRISTIAN COLSON, STEVEN CLARK-HALL.

Fotografia: TONY PIERCE-ROBERTS

Montagem: ALEX MACKIE, MARTIN WALSH

Música: STANISLAS SYREWICZ

Elenco: TOM WILKINSON, EMILY WATSON, RUPERT EVERETT, LINDA BASSETT, DAVID HAREWOOD

Duração: 87 min.

Voltar
Compartilhe
Deixe seu comentário